São Carlos, Quinta-Feira, 29 de Outubro de 2020

 

 

Notícias
 
 

Soluções pequenas e eficientes

 
 
  Fonte: Agência Fapesp, 13/09/2006  
 
  Por Thiago Romero  
 
  A nanotecnologia agrega conceitos existentes há centenas de anos, interpretados por equipamentos modernos que permitem a manipulação de partículas microscópicas para a obtenção de novos materiais. E se modernidade significa evitar perdas e aumentar a produtividade, a ciência do nano tem se adequado bem a esse conceito.
“Vivemos uma revolução em nível nanométrico que se estende praticamente a todos os setores industriais. Trata-se de uma corrida para a obtenção de produtos com materiais infinitamente pequenos, capazes de tornar a cadeia produtiva mais eficaz do ponto de vista econômico”, disse Elson Longo, diretor do Centro Multidisciplinar para o Desenvolvimento de Materiais Cerâmicos (CMDMC), um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepids) da FAPESP.
O pesquisador paulista falou sobre o assumto em seminário realizado na terça-feira (12/9) na Feira de Negócios em Inovação Tecnológica entre Empresas, Centros de Pesquisa e Universidades (Inovatec), em São Paulo.
Longo citou, como exemplo de projeto de sucesso, uma parceria feita pela Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) com o Laboratório Interdisciplinar de Eletroquímica e Cerâmica (Liec), do CMDMC, que funciona na Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Araraquara, e na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), ambas no interior de São Paulo.
Os pesquisadores aplicaram materiais nanoparticulados no cadinho, região inferior do alto-forno em que se acumula continuamente o gusa líquido produzido. “Ao inserir nanopartículas de titânio nos poros de grafite do cadinho, conseguimos evitar a sua corrosão. Um alto-forno da CSN ganhou dez anos a mais de vida útil. Na prática, a companhia ganhou um forno novo”, disse Longo.
O cadinho é considerado o coração do alto-forno. Ele é revestido com blocos refratários de carbono e o seu desempenho é vital para a produção de toda a usina. “Essa é uma proteção em nível nanométrico que contribuiu decisivamente para a redução dos custos de manutenção dos equipamentos”, explicou o pesquisador.
Outro participante do seminário, José Arana Varela, professor do Instituto de Química da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e conselheiro da FAPESP, ilustrou com números a parceria. “A Companhia Siderúrgica Nacional já conseguiu economizar US$ 107 milhões a partir dos resultados das pesquisas em parceria com o Liec. Só com o CMDMC são 16 anos de trabalhos conjuntos”, disse.
Segundo Varela, a parceria resultou, desde 1995, em 47 projetos de pesquisa. No mesmo período, 14 pedidos de patentes foram depositados no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). “Esse é um exemplo de transferência tecnológica em que os resultados podem ser observados não apenas pela economia de recursos, mas pela geração de mais exportações, emprego e riqueza para o país”, destacou.
Organizada pelo Ciesp, a Inovatec vai até sexta-feira (15/9), no pavilhão azul do Expo Center Norte. A feira apresenta uma série de rodadas de negócio destinadas ao encontro de empresas expositoras com representantes de universidades e centros de pesquisa.
Mais informações:

http://www.feirainovatec.com.br Mais informações: www.feirainovatec.com.br.

 

 
 
  <-- Anterior     Próximo -->     Voltar  
 
 

 

Fundação de Apoio Institucional ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Rodovia Washington Luís, km 235 – Caixa Postal 147
CEP: 13565-905 – São Carlos, SP
Telefone: (016) 3351-9000 Fax: (016) 3351-9008
CNPJ: 66.991.647/0001-30    I.E.: 637.148.460.118
e-mail: fai@fai.ufscar.br