São Carlos, Quinta-Feira, 29 de Outubro de 2020

 

 

Notícias
 
 

Empresa gasta em tecnologia, sem inovar

 
 
  Fonte: Folha de S. Paulo, 11/05/2005  
 
  Reinaldo José Lopes  
 
  À primeira vista, parece um dado surpreendente e animador: as empresas paulistas finalmente superaram ligeiramente o investimento público em pesquisa e desenvolvimento (o famoso binômio ‘P&D’).
Mas os gastos empresariais com a área, que alcançaram a marca de 54% do que se despende nesse setor no Estado, ainda não estão sendo direcionados para a criação de tecnologias próprias, aponta um relatório divulgado ontem na capital.
Batizado de ‘Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação em São Paulo 2004’, o relatório editado pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa de SP) chega à sua terceira edição, com o propósito de mapear todos os aspectos da produção científica e tecnológica em território paulista.
‘São indicadores que deverão se constituir como referência para políticas públicas’, afirmou o presidente da Fapesp, Carlos Vogt.
Segundo o relatório, as empresas paulistas gastaram em 2000 R$ 2,15 bilhão em P&D (54% do total). O setor público investiu R$ 1,82 bilhão, 46% do total.
Dados do relatório anterior, referentes ao período entre 1995 e 1998, apontavam uma participação ainda maior do investimento público em pesquisa e desenvolvimento: cerca de 62%.
No entanto, Sandra Hollanda, analista-sênior do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e membro da equipe do relatório, afirma que não é possível comparar diretamente os ‘novos’ dados (cuja fonte, na verdade, é um levantamento do IBGE feito em 2000) com os anteriores.
‘De certa forma, é claro que isso foi uma surpresa para nós. Mas antes nós não tínhamos outro retrato que nos permitisse comparar de maneira significativa os investimentos públicos e privados nessa área Estado por Estado’, diz Hollanda.
Mesmo assim, a situação paulista é diferente do que se vê no resto do país, em que 58,4% dos gastos com P&D têm origem pública.
Os pesquisadores atribuem essa diferença, em parte, ao fato de que as empresas de grande porte têm maior tendência a investir nessa área, e São Paulo concentra essas companhias -assim como as empresas de alta tecnologia, que também atribuem importância a esse aspecto.
É bom lembrar, no entanto, que a conta dos investimentos empresariais inclui as empresas públicas. E que os gastos com P&D nem sempre significam o desenvolvimento de novas tecnologias dentro da empresa pesquisada.
‘A compra de um equipamento novo ou a incorporação de um novo processo também entra nessa definição’, explica Ruy de Quadros Carvalho, do Departamento de Política Científica e Tecnológica da Unicamp.
Isso também esclarece por que só cerca de 1% das empresas consideram as universidades uma fonte importante de inovações tecnológicas.
‘A gente tem uma idéia um tanto equivocada sobre o papel das universidades e centros de pesquisa na inovação. Mesmo nos países de Primeiro Mundo, elas ocupam uma posição secundária nesse quesito’, diz Carvalho. ‘A diferença é que, no Brasil, a posição é a mesma, mas a importância continua sendo menor em termos absolutos.’
Tal quadro se reflete na quantidade e tipo de patentes depositadas no Brasil e no exterior por inventores brasileiros e paulistas. O levantamento aponta, por exemplo, que cerca de 70% delas vêm de pessoas físicas, e não jurídicas -ou seja, na maior parte dos casos as empresas ficam de fora da equação.
‘E as patentes são majoritariamente em campos de baixa exigência tecnológica’, afirma Leandro Alves Silva, do Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional da UFMG.

 

 
 
  <-- Anterior     Próximo -->     Voltar  
 
 

 

Fundação de Apoio Institucional ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Rodovia Washington Luís, km 235 – Caixa Postal 147
CEP: 13565-905 – São Carlos, SP
Telefone: (016) 3351-9000 Fax: (016) 3351-9008
CNPJ: 66.991.647/0001-30    I.E.: 637.148.460.118
e-mail: fai@fai.ufscar.br